Friday, August 04, 2006

Redes virais: conexão sem infra-estrutura de telecom

Trata-se de um novo conceito de construção de uma rede de comunicação sem infra-estrutura de comunicações. Essa rede vai usar cada computador nela conectado como hospedeiro e reprodutor do fluxo de comunicação. Sergio Amadeu da Silveira / 14 de abril de 2006
(publicado originalmente na Revista A Rede, edição n° 13 de abril de 2006).


A palavra vírus provoca imagens ou idéias de contaminação, multiplicação reprodução rápida e fulminante. Para a biologia, um vírus é um microorganismo que se multiplica usando a célula do seu hospedeiro. Na computação, o vírus é um programa malicioso que vem dentro de outro programa, que faz cópias de si mesmo e tenta se espalhar pelos demais computadores. No cenário dos negócios, o marketing viral é a propaganda boca a boca.

No mundo das redes, é cada vez mais forte a idéia da comunicação viral. Mas o que vem a ser uma rede viral? Trata-se de um novo conceito de construção de uma rede de comunicação sem uma infra-estrutura de comunicações. Uma rede que utilize cada computador nela conectado como hospedeiro e reprodutor do fluxo de comunicação. É uma revolução dentro da revolução informacional. É a rede caminhando no sentido da mais completa descentralização, não somente de sua parte lógica, mas também de seus elementos físicos.

A internet representou uma profunda mudança no paradigma das comunicações. Ela é logicamente descentralizada; ao contrário da TV, não depende de um centro emissor. Mas utiliza a infra-estrutura da telefonia para existir e trocar seus pacotes de dados, para conectar os computadores. Imagine, então, usar determinadas ondas de rádio para conectar diretamente um computador com outro. Pense em tirar os fios da internet e criar uma conexão de todos com todos, via wireless (sem fio, em inglês). Calma aí, vamos explicar melhor.

Comunicação viral é o conceito de um sistema de comunicação livre de infra-estrutura, em que os usuários fazem sua própria infra-estrutura. Essa forma de comunicação pode ter o mesmo nível de impacto que a internet teve sobre a comunicação conectada por redes de fios e fibras ópticas. A comunicação se dará como no caso da disseminação de um vírus. Tal como o vírus se prolifera contaminado a célula vizinha, a comunicação viral terá como o agente de propagação os computadores mais próximos. A máquina de seu vizinho servirá para fazer sua mensagem ser transmitida ao vizinho de seu vizinho e assim por diante até chegar ao destino.


Eu sou uma antena

Primeira implicação de um sistema viral é que ficamos livres da infra-estrutura de telefonia (a chamada de última milha) para conectar nossos computadores, palms e notebooks. Segunda, é que a rede viral está mais aberta às inovações, é mais flexível, exatamente por não estar baseada em nenhum sistema central. A terceira implicação está no fato de colocar a inteligência em cada nó da conexão, e não mais em um servidor instalado em um provedor. Ufa!

Criar redes descentralizadas, que não dependam de um ponto central, com a capacidade de se autoconfigurar de acordo com o número de máquinas nela penduradas, exigirá novos algoritmos que assegurem a continuidade do fluxo de informações, se um dos nós cair, ou seja, se desconectar. O algoritmo (conjunto de instruções embutidas em cada placa de comunicação da rede viral) deverá ser capaz de redirecionar a corrente de dados para outros nós. Se a máquina de seu vizinho à direita deu pau, a transmissão continuará através da máquina do vizinho da frente ou à esquerda. Como isso é possível?

Os equipamentos, computadores ou laptops conectados na rede passam a funcionar como aparelhos de retransmissão de informações; passam a trabalhar como pequenas antenas retransmissoras. Isso mesmo, retransmissoras de sinais. Com uma pequena placa inserida em cada computador, ele é transformado em uma pequena estação que roteia o fluxo de dados que estará passando por ele. Ou seja, além do computador receber e enviar dados conforme a vontade de quem o opera, ele também passará a garantir que os computadores vizinhos possam se comunicar utilizando-o como ponte de comunicação.

Agora pense em uma cidade com milhares de computadores. Quanto mais computadores e laptops existirem, menor será a distância entre eles e melhor será a comunicação. Sem fios ou cabos, os dados serão transmitidos por ondas captadas por cada computador, agora transformados em pequenas estações roteadoras de telecomunicações. Hoje, quanto mais pessoas usam uma linha ADSL, menor a velocidade de transmissão dos pacotes de dados. Existe uma redução da velocidade à medida que mais pessoas forem se conectandona rede. Cada novo computador conectado congestiona a rede tradicional.


Quanto mais, melhor.

Ocorrerá exatamente o contrário no caso da arquitetura das redes virais ou ad hoc (feitas com essa finalidade). Quanto mais máquinas funcionando em uma área, mais caminhos para as informações se propagarem, evitarem congestionamentos e chegarem mais rapidamente ao seu destino. A rede viral é uma rede solidária que fica melhor, quando mais máquinas compartilham sua conectividade.

Um dos principais pensadores da comunicação viral é Andrew Lippman, pesquisador e professor do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts). Um dos grandes entusiastas o laptop de US$ 100. Milhões de crianças com laptops contendo placa apropriada para comunicação viral vão representar uma enorme massa de computadores-retransmissores necessários a viabilizar, em todas as cidades, a comunicação viral. Sem gastar um centavo de conta telefônica.

A rede viral tem uma topologia mesh. Em redes de comunicação, o termo topologia indica a descrição do arranjo da rede, o desenho como seus nós estão conectados. Quando todos os nós possuem linhas de conexão com um nó central, chamados essa topologia de estrela. Quando os nós se conectam entre si, temos uma topologia mesh. A rede mesh também pode ser feita com a colocação de centenas de antenas com capacidade de conectar entre 30 a 60 computadores cada. Mas também pode ser uma rede ad hoc, ou seja, permite a conexão entre os equipamentos sem fio, sem a necessidade de ponto de acesso.

O futuro da comunicação viral, completamente descentralizada e de baixo custo, coloca instigantes possibilidades para a educação, para a diversidade cultural e para o comércio. Certamente, reordenará a telefonia, pois a voz sobre IP poderá usar a rede mesh para se consolidar, bem como a TV sobre IP poderá viabilizar inúmeros canais de programação e maior diversidade cultural. Outros desafios surgirão, mas a comunicação viral democratiza intensamente a comunicação mediada por computador, desde que as pessoas tenham acesso a um computador. A luta pela inclusão digital é uma corrida contra o tempo, para impedir que nossa sociedade e nossas comunidades fiquem fora da sociedade do conhecimento. Temos pressa.


http://web.media.mit.edu/~lip/ - Página de Andrew Lippman, com informações valiosas e esclarecedoras sobre a comunicação viral. Mas em inglês.

3 comments:

Anonymous said...

Como eu localizo um no especifico nessa configuração de rede?

Diogo said...

Muito interessante este conceito de redes virais. A única barreira, a meu ver, é haver proliferação de computadores, pdas, e afins que suportem a rede. Só em àreas cosmopolitas seria possível.

Outra questão interessante é que, se todos os nós da rede são utilizadores, então todo o tráfego da rede tem de passar por vários utilizadores. Isto levanta a preocupação de desenvolver algoritmos que permitam manter a confidencialidade dos dados, sem no entanto prejudicar muito a velocidade da rede.

Quanto à pergunta deixada no comentário anterior, localizar um nó numa rede é sempre um processo que implica um protocolo de endereçamento / resolução de nomes, logo não é um problema novo, apenas o contexto é diferente: numa rede viral os routers são os utilizadores.

Fer said...

Olá,
Foi lançado recentemente um PABX capaz de integrar-se ao SKYPE, permitindo que telefones comuns possam fazer chamadas para contatos SKYPE ou para outros telefones através da rede SKYPE. As chamadas podem ser realizadas, atendidas, colocadas em espera, transferidas de forma extamente igual as da rede de telefonia convencional. O custo é muito baixo e se paga rápido, rápido.
Veja: http://www.safesoft.com.br/pabx