Sunday, August 13, 2006

SCIENCE OF WEB

No Carderno Mais, do domingo, dia 13 de agosto, foi publicada a matéria "Tecnociência Pura: Tim Berners- Lee e colegas querem criar ciência da web, que abarcaria diversas disciplinas", escrita pela jornalista Mariana Tamari. A idéia de Berners-Lee e outros cientistas é criar um novo campo científico com o foco na web.

Abaixo coloco as respostas que dei à Mariana. Elas são úteis para entender melhor minha posição sobre a nova ciência.

Queria saber o que você acha dessa iniciativa. Ela tem alguma relevância para os estudos que relacionam a web com a sociedade, que pesquisadores como você já vêm desenvolvendo?

Primeiro é preciso constatar que a web é uma realidade em expansão. O hipetexto agora agrega sons e imagens em movimento. Tim Berners-Lee foi o seu principal criador quando estava no CERN, em Genebra. A web, entendida como modo gráfico da Internet, é apenas uma parte da rede, sem dúvida a mais evidente e que assegurou o seu sucesso imediato. Quando Berners-Lee e outros propõem criar a "ciência da web", eles estão produzindo um foco de atenção e de análise para o estudo das redes. Certamente estão propondo o estudo do fenômeno a partir da complexidade de sua interface. Podemos notar isso quando Berners-Lee e outros escrevem que a "Web science is about more than modeling the current Web. It is about engineering new infrastructure protocols and understanding the society that uses them, and it is about thecreation of beneficial new systems." Os softwares interpretem o protocolo http e permitem o modo gráfico da Internet fazem parte de uma das camadas de comunicação de dados, a chamada camada de aplicação. Existe, por exemplo, a camada de transporte (TCP, UDP, etc), a camada de rede (IP, ICMP, IPsec, etc), a camada de ligação de dados ( Ethernet, Token Ring, PPP, etc), a camada física (ISDN, DSL, etc). A web existe sobre uma série de outras invenções que viabilizam a comunicação em rede. É claro que é possível estudar as redes a partir de sua aplicação mais aparente e que gera necessidades nas demais camadas e, por sua vez, cria necessidades de alteração nos demais mecanismos que compõem a rede. Por outro lado, é inegável o impacto das redes informacionais na sociedade e por isso, a sociologia, a antropologia, a ciência política, a comunicação, e outras ciências, continuarão avançando seus estudos sobre esses fenômenos a partir de seus instrumentos teóricos. Por exemplo, o sociólogo Manuel Castells formulou a noção de sociedade em rede, isto abriu várias linhas de pesquisa e gerou inúmeros trabalhos consistentes nas ciências humanas.

Segundo, concordo com Bruno Latour (autor de Ciência em Ação) de que o cientista é um ator social que utiliza estratégias persuasivas para conquistar aceitação de seus enunciados. De certo modo, Latour caminha na mesma linha de Thomas Kuhn, defensor de que a base da ciência está na comunidade científica e nos seus paradigmas dominantes. O conhecimento científico está vinculado a convenções socialmente estabelecidas e reproduzidas. O conhecimento científico e a criação de um novo campo desse conhecimento depende do consenso paradigmático entre os membros da comunidade científica. Se físicos, engenheiros, sociólogos e juristas concordarem e aderirem o campo multidisciplinar chamado ciência da web ganhará força.


Em que, especificamente, a criação desse novo ramos da ciência ajudaria na evolução dos estudos da web e do seu crescimento?

Considero que a proposta de Tim Berners-Lee e outros pode acabar seguindo a trajetória da Ecologia. Ernest Haeckel propôs um novo campo de estudo das relações entre os seres vivos e o seu ambiente orgânico e inorgânico em 1870, a Ecologia. A Biologia, a geografia, a física, a química e a própria antropologia são ciências necessárias para compor o terreno da Ecologia. O seu surgimento e evolução foi tornando-se fundamental quanto mais a humanidade descobria que sua ação industrial e exploratória desmedida criava impactos em cada microcomponente do planeta, inclusive nele, o homem. A ecologia se firmou como campo científico. Acredito que o estudo focalizado no fenômeno das redes, a partir da web, pode ser útil quanto mais a sociedade incorpore a comunicação mediada por computador em seu cotidiano. Assim como, a Ecologia nasceu da Biologia e depois tornou-se mais abrangente que ela, ou seja, acho possível uma ciência da web, que partindo das ciências da computação avance para incorporar outras formas de olhar e analisar mais amplas e advindas de outros campos do conhecimento. Acho que se trata de um esforço multidisciplinar que só tem sentido ser proposto devido ao gigantesco impacto da web, como maior expressão da comunicação em rede, já surgida na humanidade.


Já não existem universidades e departamentos específicos que tratam desse tema?

Steven Johnson no livro "Emergência: a dinâmica de rede em formigas, cérebros, cidades e softwares" tratou de popularizar a teoria sobre comportamentos complexos e sofisticados que nascem de agentes simples. Por exemplo, as propriedades do cérebro não podem ser extraídas de nenhum neurônio particular, dito de outro modo, o neurônio é extremamente simples e nada inteligente, já o cérebro é altamente sofisticado e uma verdadeira máquina biológica de processamento, controle e transmissão de informações. E a web? É um enorme cérebro, um grande repositório do conhecimento? Será possível entendê-la somente observando os seus componentes? A Internet e a web vêm sendo estudadas por vários departamentos e ciências. Por exemplo, a pós-graduação da Cásper Líbero tem uma matéria que eu ministro sobre a Internet, voltada a análise das redes do ponto de vista comunicacional. A PUC tem pesquisadores que analisaram a Internet do ponto de vista semiótico. A USP tem mestrandos estudando a teoria matemática da comunicação para viabilizar redes virais ou redes mesh. Enfim, existe um objeto de estudo forte e identificável ( a web) que cada campo do conhecimento somente pode apreendê-lo parcialmente. Isto justificaria uma ciência da web que eu prefiriria chamar de ciência da rede. Mas as redes são formações muito antigas utilizadas há milhares de anos pela humanidade. Foi necessário o surgimento da Internet e da web para que a proposição de um campo científico voltado a seu estudo possa ser discutido e encarado seriamente. A ciência, ou seja, toda a ciência é historicamente determinada.

1 comment:

Carlos Nepomuceno said...

Sergio, vinha pensando exatamente nisso hoje....estou fazendo doutorado em Ciência da Informação e acho que nem lá, nem na Computação e nem na Ciência da Computação a rede é tratada com um objeto.

Acredito que cada olhar sobre a rede pode ser diferente, mas se justifica uma Ciência que dê conta de todos os problemas que a rede - que veio solucionar vários outros - criou.

Precisamos conversar,

forte abraço,

Nepomuceno.