Sunday, October 21, 2007

TELECENTROS DE SÃO PAULO: RETROCESSO À VISTA... mas o Vista é caro e não funciona direito!

A micro$oft sempre tentou impedir que se formasse uma grande rede em software livre. Fizemos isto, a partir de 2001, implantando os telecentros da Prefeitura de São Paulo. Os funcionários do monopólio diziam para os seus aliados dentro da máquina que os telecentros não iriam funcionar sem o windows. Pois é. Cada telecentro funcionou com um servidor Linux interligando vinte máquinas sem HD, com um custo menor. Funcionou e muito bem. Os telecentros de São Paulo chegaram a atender mais de 500 mil pessoas. Quando Serra entrou na Prefeitura, exitiam 126 telecentros. Enquanto vírus fulminavam e tiravam a rede da Prodam da Internet, os telecentros nunca tiveram problemas com isto. O Linux não aceita arquivos auto-executáveis, por isso não existe vírus para ele nem para Free BSD, outro sistema operacional livre. Depois de 2005, mesmo sem a mesma manutenção, a rede Linux nos telecentros funcionava e muito bem. Então, para que retroceder e voltar ao monopólio da micro$soft? Prá que voltar a pagar pelas licenças de software proprietário?

Quanto a Prefeitura irá gastar com o acordo com a micro$soft? Um milhão? Um milhão não dava para desenvolver as aplicações voltadas aos portadores de deficiência que rodassem em todos os servidores de telecentros?

Será que em um futuro próximo, a atual gestão pensa em substituir os hardwares dos telecentros, estáveis e baratos? É evidente que será necessário renovar os computadores. Mas, será que a atual gestão pretende deixar de usar os thin-clients, retirar o sistema de um servidor e computadores baratos como clientes? Bom, para usar o sistema operacional VISTA da micro$oft, eles terão que gastar muito em hardwares, mais ainda em anti-vírus, muito mais em manutenção, pois não terão que manter apenas um servidor com HD em cada telecentro. O VISTA não serve para um esquema thin-client.

Será que o Tribunal de Contas não se importa com o retrocesso?

É óbvio que o VISTA é pesado e está dando mil problemas para quem aderiu. Tudo indica que a micro$oft irá avançar em vários órgãos públicos, para que eles adquiram licenças do VISTA e promovam uma renovação induzida de máquinas (mesmo sem necessidade). Esse ritmo de obsolescência programada é bem conhecido neste mercado. Os governos são vitais para a micro$oft enfiar seus produtos no mercado. Governos são grandes compradores. Mas o gestor público deve avaliar se o custo dos estragos dos vírus, do tempo da queda da rede windows, sua instabilidade, somado a licenças absurdas diantes de opções, gratuítas, estáveis e seguras, compensam. Por que compensariam?

Além disso, o módulo 3D que eu utilizo no meu Linux Ubuntu funciona com 512 de memória RAM. O Vista não faz o mesmo com menos de 1 Giga. Assim, não dá prá entender a economicidade e o que motiva este retrocesso...

8 comments:

Thiane said...

Você teria adorado o Phil. Ele é mega fã de Linux! Tudo bem com vc? Bjs

Izabel said...

Fiquei espantada com a notícia, aliás decepcionada seria o termo adequado. Era estagiária no Telecentro Sé quando o CGE migrou para Linux, tive muito orgulho por fazer parte de um projeto que buscava alternativas para caminhar com maior autonomia e livrar-se de barreiras tão desnecessárias e prejudiciais como a escravidão imposta pela Microsoft.
De fato isso constitui um retrocesso, uma pena...

LUCAS said...

Nossa! Infelizmente isso podera ocorrer,mas tenho a certeza que isso mudara.

Estou muito orgulhoso por estar usando linux, e varios amigos meus tambem pois outrora eramos escravos da Micro$oft.
Parabens pelo otimo trabalho Sergio Amadeu e equipe!!Estou com vcs!!

Abracos

luis.abeid said...

Bom dia, Sérgio.

Gostaria de pedir(se você tiver um tempinho), por ser um especialista, que entrasse em contato com a CBN, mais especificamente com Milton Jung que apresenta o programa CBN São Paulo todas as manhãs e se propusesse a defender o uso do software livre. Eu já mandei um email pra ele pedindo que comente a notícia no ar.
O email dele é milton.jung@cbn.com.br e o programa dele vai ao ar das 09h30min às 12h.

Obrigado.

Andre Passamani said...

Seu Sergio,

Fiquei triste mesmo com a notícia. Abdicar de tentar mudar o mundo? Tá certo é só uma prefeitura né?

Mas, sei lá... falta mesmo vontade de fazer algo mutante! Sem certificado de homologação de uma mega empresa....

:-)

Dnoway said...

Olá Sérgio, fiquei sabendo da notícia em uma lista que assino. Realmente fico sem entender as ações de alguns governantes... Realmente lamentável... Entrando mais no assunto, na matéria que li http://www.link.estadao.com.br/index.cfm?id_conteudo=12272 há a afirmação de que um dos motivos da escolha do Windows foi o fato de não existirem bons programas para deficientes visuais no Linux. Bem, realizo juntamente com outras membros do time do Gnome, a tradução para português de um programa livre chamado Orca http://live.gnome.org/Orca, http://pt.wikipedia.org/wiki/Orca_(gnome) que é voltado para deficientes visuais. Ele já vem instalado em algumas distribuições (ex: ubuntu) e pelo que sei, é um projeto já bem maduro.
Grande Abraço

Wilton said...

Politicagem, lobistas e coisas afins. Que essa noticia fique gravada e pese para sempre na carreira politca dele, eu me lembrarei disso e lembrarei os outros tambem.

Marco said...

Comunidade do Alto Nova Olinda ganha telecentro
Publicado em 22.05.2008, às 14h40

Do JC OnLine

Olinda faz festa para inaugurar, nesta sexta-feira (23), seu primeiro telecentro em um Ponto de Cultura. A partir das 14h, a comunidade do Alto Nova Olinda abre as portas do Telecentro de Inclusão Digital Maracatu Leão Coroado, localizado na 2ª travessa do Alto Nova Olinda, 226, numa parceria com o Governo Federal.

O espaço oferece à população 11 computadores ligados em rede com sistema linux, incluindo suíte de escritórios, aplicativos para navegação web e software para acessibilidade de cegos. Cursos de informática básica estarão disponíveis, gratuitamente, nos três turnos, de segunda a sexta. As aulas serão ministradas por professores voluntários do próprio bairro, que receberam capacitação.

Os telecentros fazem parte do Programa de Inclusão digital do Governo Federal; e os PCs foram doados Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), empresa pública vinculada ao Ministério da Fazenda.


Alguém está mentindo, como sempre.